Prefeito de Bequimão é primeiro do Brasil a criar Semana do Bebê Quilombola

mãe e filho 2

O prefeito de Bequimão, Antônio José Martins (PMDB), é o primeiro do país a instituir a Semana do Bebê Quilombola, evento em defesa de crianças de até seis anos de idade nascidas em comunidades remanescentes de quilombos. A iniciativa lançada nesta segunda-feira (25), em solenidade na Câmara Municipal de Bequimão, deve ser reproduzida pelo Unicef em outros municípios do Brasil onde existem quilombolas.

Durante a assinatura simbólica da lei que instituiu a semana, o prefeito lembrou que o município possui quase 13.500 habitantes negros, o que representa cerca de 70% da população local. “São pessoas que carregam consigo uma história de muita luta e de contribuição pelo nosso município. Mas nem sempre essa população recebeu o devido valor”, destacou Martins, para quem essa situação pode ser mudada com parcerias, como as estabelecidas por conta da Semana do Bebê Quilombola. “Com olhos mais sensíveis, vamos lutar para proporcionar melhor qualidade de vida a esses povos”, completou o prefeito.

Trabalham em conjunto o Governo do Maranhão, por meio da Secretaria Estadual Extraordinária da Igualdade Racial, Prefeitura de Bequimão, Unicef, Fundação Josué Montello, Pampers e RGE. Cada uma das dez comunidades envolvidas também participou do planejamento das ações, reunindo saberes  tradicionais e intervenções que partem do poder público.

O Unicef já apoia prefeituras que se interessam por realizar a Semana do Bebê, mas é a primeira vez que o evento é direcionado às crianças de quilombolas. O oficial do Unicef, Antônio José Cabral, que acompanhou o primeiro dia de programação, defendeu a visão de que as crianças e adolescentes precisam ser encarados como prioridade absoluta nas políticas públicas. Segundo ele, o grupo com maior vulnerabilidade no país são as crianças, principalmente aquelas que moram no nordeste e são negras ou indígenas. “Precisamos trabalhar em cima das desigualdades relevantes, para que as crianças vivam e cresçam sem violência, sem trabalhar. Criança é para estar na escola ou brincando”, enfatizou

Cabral comentou, ainda, que muitas crianças brasileiras morrem antes de completar um ano, vítimas de doenças que podem ser prevenidas com vacinação ou pelo acompanhamento do pré-Natal.  “Toda criança deve ser respeitada e cuidada. Com esta semana, queremos incentivar o desenvolvimento integral desde a infância. Mais tarde, vamos olhar para os indicadores e ver o que está mudando na vida dessas crianças. Vamos perceber, então, que valeu a pena”, garantiu o representante do Unicef.

Em outubro, o prefeito de Bequimão assinou o termo de adesão e inscreveu o município para participar da ação, que é pré-requisito para a conquista do selo Unicef.  O próximo passo é a elaboração de diagnóstico e de um plano de ação visando a melhoria dos indicadores sociais. No final de três anos, caso o município alcance a pontuação, é conferido o selo.

Da cerimônia de abertura, participaram a secretária Estadual da Igualdade Racial, Claudett Ribeiro; a representante da Fundação Josué Montello, Karine Ericeira; a secretária municipal de Cultura e Promoção da Igualdade Racial, Dinha Pinheiro; a presidente da Câmara Municipal de Bequimão,  Francinete Pereira, além de secretários municipais e vereadores.

Comunidades

A programação da Primeira Semana do Bebê Quilombola se estenderá até sábado (29), nas comunidades de Santa Rita, Rio Grande, Arquipá, Ramal do Quindíua, Pericumã, Marajá, Conceição, Mafra, Sibéria e Juraraitá, todas já certificadas pela Fundação Palmares. Enquanto era realizado o lançamento oficial da semana, os pontos de luz, como são chamados os mobilizadores, estimulavam as ações nos quilombos.

Foi momento de parar para ouvir histórias como as de dona Helena Nogueira Gusmão, moradora da comunidade de Ariquipá. Ela relembrou a lida diária para criar os dez filhos, quase todos nascidos pelas mãos das parteiras Odete e Ziloca. “Elas ficavam três dias acompanhando a gente, curando o umbigo da criança. Eu tinha muita confiança. Quando dava dor, eu não achava outro jeito sem chamar elas”, contou.  Para a mulher parida, era servido galinha quase sem tempero. No resguardo, que era o período de 40 dias após o parto, a mãe tomava purgantes e “remédios de mato”.

As lembranças de dona Helena são acompanhadas pelo olhar curioso das crianças. A mesma atenção é dada aos dentistas, médicos, enfermeiros e agentes de saúde que participam da Semana do Bebê Quilombola, sensibilizando pais e filhos para a necessidade de prevenção de doenças. Um ponto forte é a sensibilização da comunidade para a utilização cotidiana da multi-mistura, importante como complemento alimentar.

A Semana do Bebê Quilombola encerrará no sábado (30), com uma grande caminhada no Centro de Bequimão, quando será levantada a bandeira contra o racismo na infância.

Anúncios

Autoridades elogiam o crescimento da Expocapril

autoridades no almoçoDiversas autoridades passaram pela VI Expocapril, que aconteceu entre os dias 15 e 17 em Bequimão. O evento, realizado pela Associação de Criadores de Ovinos e Caprinos do município, foi bastante elogiado pela proporção e importância que está alcançando no Maranhão. Foi destacada, principalmente, a parceria entre a Prefeitura Municipal de Bequimão, por meio do prefeito Zé Martins, e os organizadores da exposição. As autoridades foram convidadas para um almoço na fazenda do ex-prefeito Juca Martins, onde comentaram suas impressões sobre a Expocapril 2013. Confira!

 

Secretário de Estado da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Cláudio Azevedo

A Expocapril já está no calendário de feiras e eventos do Maranhão. Eu quero parabenizar o esforço de um grupo de criadores aqui de Bequimão, que se uniu. É muito importante essa união. Eles resolveram fazer essa exposição, que já é destaque em todo o Maranhão. É uma das exposições mais importantes de ovinos e caprinos. Hoje, você vai a imperatriz, numa reunião com os criadores, e o pessoal fala na Expocapril de Bequimão. Divulga o nome de Bequimão. Além de divulgar, ela fomenta a criação de bode e de carneiro aqui em Bequimão e na Baixada. Eu fico muito feliz, porque mostra que a nossa querida região da Baixada tem uma vocação enorme, tanto para criar peixe, para criar gado, pra criar camarão e agora para a criação de ovinos e caprinos. É impressionante o que eram os animais. Nós tínhamos aqui um carneirinho, um bodinho com dois anos que pesava 8kg de carne. Hoje, nós temos animais com dois anos pesando 30kg. Então, essa exposição fomenta a produção. Ela incentiva, anima os criadores a investir e criar mais animais. Parabenizei o prefeito Zé Martins e também o Bicó, em nome da governadora, por estarem trazendo para Bequimão um evento como esse, divulgando o nome de Bequimão. Onde tem parceria entre os produtores, as prefeituras e o Governo do Estado, a tendência é sucesso; é você ter uma vitória.

 

Prefeito de BequimãoZé Martins

Para as pessoas que estão acompanhando desde a primeira, vão saber diferenciar que esse ano a Expocapril teve uma estrutura maior. Foi um compromisso que firmei com a associação, para que, neste ano, o poder público e todos aqueles que pudessem ajudar colaborassem. Estamos cumprindo com o que falamos, ao estabelecer a parceria com a associação. Nosso interesse é que o setor produtivo cresça, cada vez mais, em Bequimão, abrindo oportunidades de trabalho e renda. O município tem todo o potencial para se destacar na criação de ovinos e caprinos e em outras atividades agropecuárias. Por isso mesmo, estamos atentos e vamos apoiar todas as iniciativas que visem ao bem do nosso povo.

 

Deputado Estadual Jota Pinto

Cada vez que venho aqui, fico mais feliz pelo avanço, pela organização. Eu acredito que passa a ser uma referência para outros municípios da Baixada Maranhense. Hoje, aproveitamos para anunciar uma emenda de minha autoria para que possamos, no próximo ano, ter um parque todo organizado. Aproveitamos pela motivação do prefeito Zé Martins e dos organizadores para que no próximo ano os grandes produtores de todas as regiões possam expor aqui seus animais. Temos todas as condições de produzir bons animais de qualidade e poder produzir leite, queijo e ter carne, e o cidadão possa ter seu negócio.

 

Superintendente da 8ª Regional da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e Parnaíba (CODEVASF), João Martins

Podemos perceber que houve uma evolução significativa no que diz respeito à infraestrutura disponível para a exposição dos animais, para participação dos criadores, do próprio sistema de capacitação dos produtores e dos visitantes. A presença da CODEVASF, assim como da SAGRIMA, através do Dr. Cláudio Azevedo, do SENAR, que é o órgão mais importante de capacitação do Estado, o SEBRAE presente, a SEDES, o deputado Jota Pinto, deputado que defende a Baixada Maranhense. A Expocapril só tem a ganhar. Vem evoluindo, principalmente no envolvimento de várias instituições, e acho que a tendência é aumentar a participação, em termos quantitativos quanto qualitativos. Tem a ganhar os expositores de ovinos e caprinos, mas de várias outras atividades produtivas, como a piscicultura, a horticultura, o extrativismo, os pescadores artesanais. Todas as atividades ligadas à agricultura familiar só têm a ganhar com um evento desse porte. Isso demonstra que se a Prefeitura está apostando e acreditando. Casa o interesse público municipal com o interesse privado e a iniciativa dos produtores rurais. As instituições estão fazendo seu papel ao incentivar uma iniciativa como essa.

 

Secretário Adjunto de Renda e Cidadania da SEDES (Secretaria de Estado do Desenvolvimento Social e Agricultura Familiar), Expedito Moraes

É a primeira vez que venho à Expocapril. Estou surpreso com o que eu vi. É uma experiência que deve ser implantada nos municípios da Baixada. Normalmente, quando vamos numa exposição desse tipo, encontramos produtores de outros estados, de outras regiões. Aqui o que vi foi da própria região, já com a experiência da região e a presença também dos grandes centros técnico-científicos da área, como EMBRAPA, SEBRAE. Acho que deve ser incentivado e reconhecido o esforço da Associação de Criadores e da própria gestão municipal, do prefeito Zé Martins. A tendência é crescer muito mais. Nós, gestores do Estado, estamos à disposição para que no próximo ano possamos fazer um evento bem maior do que esse. Acho que Bequimão está de parabéns.

autoridades 01

por A Tribuna de Bequimão

Bequimão se prepara para Primeira Semana do Bebê Quilombola

bebe quilombolaDez comunidades do município de Bequimão, localizado a 54 km de São Luís, foram mobilizadas para a 1ª Semana do Bebê Quilombola, que acontecerá entre os dias 25 e 30 de novembro. O Governo do Maranhão, por meio da Secretaria Extraordinária de Igualdade Racial, Prefeitura Municipal de Bequimão, Unicef, Fundação Josué Montello, Pampers e a empresa RGE uniram forças para levantar a discussão sobre a prioridade do direito à sobrevivência e ao desenvolvimento de crianças de até 3 anos de idade. A solenidade de abertura ocorrerá na segunda-feira (25), às 9h, na Câmara Municipal de Bequimão.

Os moradores das comunidades quilombolas ajudaram a elaborar a programação da Semana. Foram eles que escolheram, em assembleia, o tema “O Direito, a Sobrevivência e o Desenvolvimento da Criança Quilombola”, com o intuito de destacar os cuidados que se deve ter com a criança logo na primeira infância. As atividades serão realizadas, simultaneamente, nos povoados Santa Rita, Rio Grande, Ariquipá, Ramal do Quindíua, Pericumã, Marajá, Conceição, Mafra, Sibéria e Juraraitá, todas certificadas como remanescentes de quilombolas.

Pioneira no Brasil, a Semana do Bebê Quilombola de Bequimão foi construída de maneira participativa e colaborativa, para servir como modelo a outros municípios do país. No começo do mês de outubro, a secretária Estadual de Igualdade Racial, Claudett de Jesus Ribeiro, e a secretária Municipal de Cultura e Promoção da Igualdade Racial, Dinha Pinheiro, promoveram rodas de conversa em sete dessas comunidades.

Os moradores dos quilombos opinaram sobre aspectos importantes ao desenvolvimento infantil, como a necessidade de consultas ao pediatra, cuidados com alimentação, amamentação, brincadeiras e passeios, estabelecimento de limites desde cedo, bons exemplos dos pais, dentre outros.

A partir das respostas, foram propostas ações que valorizam o jeito característico, nos quilombos, de cuidar das crianças. “Assim como na África, tudo aqui é coletivo. Então, toda a comunidade educa a criança e todas se criam juntas. Queremos que isso seja reforçado, como forma de manter a identidade dos negros quilombolas”, destacou Claudett Ribeiro.

Troca de experiências

Durante a Semana, serão partilhadas experiências que demonstram a necessidade de preservar a cultura da população quilombola. Haverá momento para se falar dos remédios, rezas e das crenças que vieram da África; para contação de história sobre a infância dos avós; discussão a respeito das mulheres guerreiras e da importância das crianças nos quilombos, além de conversas sobre gravidez e parto.

Pontos de luz, como serão chamados os facilitadores, estimularão histórias como a de Eunice Cruz Pinheiro, 24 anos, que deu luz ao filho Renan Cruz Pinheiro, hoje com 4 anos. Ela fez todo o pré-natal no hospital do município, mas no dia do parto estava chovendo muito forte e a ambulância não conseguiu chegar até sua casa, que fica após um rio. A solução foi realizar o parto em casa, tendo como parteira a própria avó. “Aqui, na comunidade, a gente acha até melhor ter o filho em casa, por que a gente recebe o cuidado da família. Além disso, todo mundo dá apoio, pode ser de qualquer pessoa, de um professor ou parente, que aconselham”, contou a jovem mãe quilombola.

Esse conhecimento tradicional dialogará com políticas de assistência e cuidados à primeira infância. Médicos, enfermeiros, nutricionistas e agentes de saúde estarão nas comunidades prestando serviços de vacinação, atendimento médico básico, orientação alimentar e de saúde bucal. “Reconhecemos a importância dessas comunidades para a história e para a construção do nosso município. Por isso, queremos oferecer todas as condições para que a identidade dos quilombos seja preservada, ao mesmo tempo em que ampliamos a assistência por meio das políticas públicas”, afirmou o prefeito José Martins (PMDB).

Bequimão em números

  • 20.339 habitantes;
  • 10.344 homens e 9.995 mulheres;
  • 13.748 vivem na zona rural;
  • 6.591 moram na zona urbana;
  • 6.921 identificam-se como brancas;
  • 13.319 são negros;
  • 18 comunidades remanescentes de quilombos;
  • 10 são certificadas pela Fundação Cultural Palmares.  

Expocapril movimenta final de semana em Bequimão. Secretário Cláudio Azevedo participou do evento

expocapril

O secretario de estado da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Cláudio Azevedo, representou a governadora Roseana Sarney na solenidade de abertura oficial da VI Expocapril – Exposição de Ovinos e Caprinos de Bequimão, na Baixada Maranhense.

A exposição teve inicio na última sexta-feira e vai até este domingo, com uma programação que inclui exposição, julgamento e leilão de animais, palestras técnicas, shows musicais, entre outros. Segundo a organização do evento, participam da exposição cerca de 500 animais, e a expectativa é fechar o evento com um volume de negócios perto dos R$ 50 mil – cerca de 50% a mais do que o registrado no ano passado.

Para o secretario Cláudio Azevedo, exposições como essa, que é organizada pelos próprios produtores, são fundamentais para o desenvolvimento da pecuária na região. “Fico feliz quando vejo os produtores se unindo, melhorando a genética dos rebanhos, buscando capacitação e novas tecnologias de manejo. E é por isso que o governo do estado apoia esses eventos, porque sabe são fundamentais para desenvolver a nossa pecuária”, declarou o secretário. Cláudio Azevedo também destacou a vocação da região da Baixada Maranhense para a agropecuária. “A grande vocação econômica do Maranhão é a agropecuária. Onde o setor é forte, o IDH é alto. E a Baixada Maranhense tem um potencial produtivo enorme, seja para a agricultura, bubalinocultura, bovinocultura, ovinocaprinocultura, piscicultura e até apicultura”, destacou.

O prefeito do município, José Martins, destacou o crescimento do evento. “A cada ano a exposição recebe mais animais e mais público”, ressaltou. O rebanho do município, que, segundo levantamento da Agência Estadual de Defesa Agropecuária do Maranhão (AGED-MA) é de 1,154 ovinos e 781 caprinos, vem passando por melhoria genética. “Há cinco anos, a média de peso dos nossos animais era de 7 kg, aos seis meses de idade. Hoje, no mesmo período, temos animais pesando 15 kg. Dobramos nossa oferta de carne!”, comemorou o presidente da Associação dos Criadores e Criadoras de Ovinos e Caprinos de Bequimão (ACCOBEQ), Valbemor Costa Almeida.

Também presentes ao evento de abertura, o deputado estadual Jota Pinto, o superintendente da 8a. Regional da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e Parnaíba (CODEVASF), João Batista Martins, o Secretário Adjunto da SAGRIMA, Raimundo Coelho de Sousa, o Secretário Adjunto de Renda e Cidadania da SEDES (Secretaria de Estado do Desenvolvimento Social e Agricultura Familiar), Expedito Moraes, o Prefeito de Peri-Mirim, João Felipe Lopes, o vice-prefeito de São Bento, Isac Filho, o Diretor Administrativo e Financeiro do SEBRAE-MA, Raimundo Nonato Corrêa, o Superintendente do SENAR (Serviço Nacional de Aprendizagem Rural), Antônio Figueiredo, e o Diretor-Secretário da FAEMA (Federação da Agricultura do Estado do Maranhão), Carlos Antônio Feitosa.

Ovinocaprinocultura – Segundo dados da AGED, o Maranhão possui um rebanho de mais de 145 mil ovinos e 133,7 mil caprinos, o que coloca o estado no 7º lugar no ranking nordestino.

O Estudo de Mercado da Ovinocaprinocultura do Maranhão, realizado pelo SEBRAE-MA, apronta que, de 2003 a 2011, o rebanho ovino do estado cresceu 49% e o caprino 15%. As regiões que apresentaram maior crescimento do rebanho ovinocaprino foram o oeste e o centro maranhense. A pesquisa também revela que o maior consumo de carne caprina é verificado em Imperatriz, e que o município de Timon concentra o maior número de consumidores de carne ovina.

Texto: Raquel Araújo (Sagrima/Aged)

Fazenda Ariquipá abre as portas para festejar Divino Espírito Santo

DSC_0855A casa grande da Fazenda Ariquipá, em Bequimão, voltou a ter a movimentação dos seus tempos áureos. No sábado (16) e domingo (17), os herdeiros de Antônia Soares, a Tunica, e Raimundo Magalhães Ramalho, o Nhô Nhô, abriram as portas da morada histórica para uma festa ao Divino Espírito Santo, como pagamento de promessa.

Muito engajada na Renovação Carismática Católica (RCC), a filha Terezinha Ramalho pediu por uma graça no momento em que viu as terras da família ameaçadas.  Ela foi surpreendida por uma correspondência da Justiça, que informava a penhora da fazenda. Ocorre que a propriedade era registrada somente em nome do seu pai, que nunca se casou com Tunica, porque a família dele desaprovava a união.

DSC_0882Branco, descendente de portugueses, Nhô Nhô nasceu em Alcântara e, aos 18 anos, saiu de casa para viver com Tunica, que era mulata. O pai nunca aceitou a escolha do filho. Quando ia visitá-lo, não chegava até a cozinha, evitando o encontro com a nora. Quem conta essa história é dona Socorro, 82 anos, que mora na Fazenda Ariquipá desde os 12 anos. Segundo ela, o casal superou a reprovação da família com o sentimento forte que os uniu. “Para amor não tem querer”, disse, com sorriso no rosto.

Sem o casamento, a divisão dos bens entre os herdeiros ficou comprometida. Então, Terezinha Ramalho, a filha que mais assistiu a mãe até o fim, ficou responsável por resolver o problema. Foram dois anos de espera e angústia, mas sempre com fé no Espírito Santo. Num certo dia, em que havia ido a Pinheiro/MA somente para saber como estava o processo, ela encontrou o documento já pronto e tudo se resolveu. “Quis me ajoelhar ali mesmo para agradecer”, relembrou.

Mais de 10 anos se passaram até que a promessa de fazer a festa ao Divino Espírito Santo se cumprisse. No final de semana, a programação foi intensa. Teve tambor de crioula, caixeiras, missa, almoço e muitos fogos de artifício. “Restaurei a casa para fazer essa festa. Matei dois bois, porco”, alegrou-se Terezinha.

A comunidade do Ariquipá e vários moradores do Centro de Bequimão participaram da festa. O prefeito Zé Martins, o secretário de Agricultura, Creuber Pereira, e a secretária de Cultura e Promoção da Igualdade Racial, Dinha Pinheiro, prestigiaram a homenagem ao Divino Espírito Santo. Depois de cumprimentar os convidados da festa, Zé Martins recebeu as bênçãos pelas mãos da anfitriã, que pôs a imagem de uma pomba sobre a cabeça dele.

Fazenda Ariquipá

Raimundo Magalhães Ramalho e Antônia Soares chegaram a Ariquipá para cuidar da fazenda de um primo de Nhô Nhô chamado Augostinho Ramalho. “Ele tinha muitos negócios e resolveu vender a fazenda para o meu pai”, explicou Terezinha. Foi nesse lugar que o casal viveu junto por 65 anos. Lá, o patriarca também começou a exercer seu espírito de liderança, que o levou, mais tarde, a ser prefeito de Bequimão, por duas vezes, e presidente da Câmara Municipal de Vereadores.

DSC_0924A Fazenda Ariquipá possuía um dos maiores engenhos da região. A matéria prima era retirada do canavial da própria terra de Nhô Nhô, para produção de açúcar. Na comunidade, a população formada, basicamente, por descendentes de escravos encontrou lugar para trabalhar. “Meu pai nunca usou chibata. Mesmo assim, sempre foi respeitado. O caboclo chegava na porta e ele deitado numa rede aqui, e o caboclo já ia tirando as esporas, o facão da cintura, para falar com meu pai. Sempre foi respeitado pela maneira tratável que ele tinha”, orgulha-se Terezinha.

Na lembrança de dona Socorro, por sua vez, ficaram as noites de festa e a mesa farta para receber os vaqueiros que ajudavam a ferroar o gado. “Tudo de muito tinha aqui. Os vaqueiros chegavam e tinha mesa posta, doce de ginja, doce de leite”, lembrou a senhora que acompanhou Tunica até o dia de sua morte, muitos anos depois de Raimundo Magalhães Ramalho ter falecido.

A casa grande teve sua estrutura preservada. No interior, os diversos cômodos guardam objetos antigos, que ajudam a reconstruir a bela história do lugar.

Prefeitura vai recuperar asfalto em ruas e avenidas de Bequimão

asfaltoEstá chegando asfalto novo para ruas e avenidas de Bequimão. O prefeito Zé Martins fez a licitação para recuperar a pavimentação de três vias do Centro do município: Rua Barão do Rio Branco; Avenida Antônio Dino (nos dois sentidos); e Rua Santos Dumont.

Representantes da empresa vencedora do certame estiveram no município fazendo medições nessas áreas, para que sejam iniciados os trabalhos.

Outra boa notícia é que a Prefeitura Municipal de Bequimão já autorizou a recuperação da estrada vicinal que vai do Ramal do Macajubal ao Pontal. 

Rodada do final de semana no Campeonato de Futebol de Bequimão

DSC_0353A rodada do final de semana no Campeonato Municipal de Futebol de Bequimão teve três jogos, no Estádio Vivaldão. No sábado (02), o primeiro jogo ficou em Santana 3 x 2 do Guarani. Em seguida, o Atlético  enfrentou o Palmeiras. O jogador Guebane fez um gol de pênalti, na vitória dos atleticanos por 1 x 0 sobre os palmeirenses.  Já no domingo (03), a partida terminou em 2 x 0 para o time do Balandro contra o Geniparana, com gols de Zequinha e Bico.

Confira algumas imagens da partida de domingo:

por A Tribuna de Bequimão

Bequimão tem Mais Médicos

foto 3Duas médicas cubanas, que chegaram a Bequimão pelo Programa Mais Médicos, foram recepcionadas pela população e por autoridades locais, nesta segunda-feira (04). Em articulação com o governo federal, o prefeito Zé Martins (PMDB) e o secretário de Saúde, Bastico Moraes, conseguiram incluir Bequimão entre os primeiros municípios maranhenses a receber o programa. Agora, contando com os já contratados pela Prefeitura, são 14 médicos atendendo no município.

As médicas Odalys Baro Sanchez e Odalis de Cardena Mejias são experientes em programas de assistência básica à saúde na América do Sul. Sanchez participou da missão Bairro a Dentro, realizada na Venezuela, e de outra missão na Bolívia. Mejias também atuou entre os bolivianos e na Guatemala.

Nessas experiências, segundo as médicas, o trabalho dos cubanos teve bons resultados, com diminuição da mortalidade infantil, dos índices de morte materna e de doenças do coração. “Nosso trabalho é, fundamentalmente, de prevenção, conhecendo e acompanhando nossos pacientes. Isso que viemos fazer aqui”, destacou Odalys Sanchez.

Antes de chegar a Bequimão, elas passaram por treinamento durante um mês, em Fortaleza, quando puderam conhecer melhor as doenças que mais afligem os moradores da região onde vão atuar e o funcionamento do Sistema Único de Saúde (SUS). Elas assistiram, também, aulas de português. “É bastante parecido com o Espanhol, por isso, acredito que em mais um mês vamos nos comunicar ainda melhor com os brasileiros”, disse Odalis Mejias, em “portunhol”.

Além das barreiras da língua, elas se dizem prontas para enfrentar os desafios da saúde em Bequimão. Para isso, apostam no atendimento humanizado. “Eu penso que o médico tem que ser muito humanista e sentir muito amor e dedicação por sua profissão. Queremos compartilhar isso com nossos colegas brasileiros e ajudar a população”, frisou Mejias.

Recepção

As médicas foram acolhidas com o calor humano característico dos bequimãoenses. Na frente da prefeitura, populares e autoridades as saudaram com palmas. Elas chegaram acompanhadas do secretário de Saúde, Bastico Moraes, que lembrou os intensos esforços para que o município conseguisse participar logo do Mais Médicos. “Em curto tempo, esse trabalho diuturno já apresenta resultados. O intercâmbio com os cubanos deve ser maior ainda. Até março de 2014, vamos receber mais quatro médicos e ampliar nossa equipe para 18 profissionais”, ressaltou o secretário.

O prefeito Zé Martins, em seu pronunciamento de acolhida, enfatizou que o Mais Médicos é um amplo pacto para a melhoria do atendimento aos usuários do SUS. “Um programa desses não leva só médicos e saúde; leva, também, cidadania, dignidade e justiça social aos brasileiros necessitados e, de uma forma especial, aos bequimãoenses”, afirmou o prefeito.

Zé Martins elogiou a atitude do Governo Dilma e do ministro da Saúde, Alexandre Padilha, por darem prioridade aos postos de saúde e à atenção básica de saúde. Às cubanas que já estão no município, o prefeito garantiu que cumprirá sua parte. Pelo Mais Médicos, o profissional receberá do governo federal um salário de R$ 10 mil e mais ajuda de custo. Os municípios ficam responsáveis de arcar despesas de alimentação e moradia.

A movimentação foi acompanhada pelo vice-prefeito Pedro Acará e pelo ex-prefeito Juca Martins. Participaram, também, os secretários de Administração, José Orlando Martins; de Cultura e Promoção da Igualdade Racial, Dinha Pinheiro; de Assistência Social, Neide Rodrigues; de Esportes, Kell Pereira; de Segurança, Cassiano Abreu; de Pesca, Nhô da Colônia; de Indústria e Comércio, Ademar Costa; da Extrema Pobreza, Sinara Almeida; e pela secretária adjunta de Saúde, Ramone Araújo. Estiveram na recepção os vereadores França (presidente da Câmara Municipal), Jorge Filho, Vetinho, Amarildo e Robson Cheira.

 

Bequimão também fez parte do Outubro Rosa

Outubro rosa 1O mês de outubro foi especialmente dedicado aos cuidados com a saúde da mulher. Em Bequimão, a Prefeitura Municipal, por meio da Secretaria Municipal de Saúde, vestiu a camisa do Outubro Rosa. O mote da campanha, que acontece em todo o mundo, é a prevenção contra o câncer ginecológico e de mama.

As mulheres foram convocadas a fazer exames periódicos. Os profissionais da saúde ensinaram, também, como fazer o autoexame da mama e em qual período é mais adequado (no caso, a melhor época é uma semana após a menstruação), segundo a enfermeira e secretária adjunta de Saúde, Ramone Araújo.

No dia 23 de outubro, Dia Mundial de Conscientização do Câncer Uterino e Câncer de Mama, foi realizada uma caminhada, que se concentrou na Praça 02 de Novembro. De forma descontraída e com animação, eram transmitidas informações de prevenção dessas doenças.

“A Prefeitura está empenhada em cuidar da saúde do povo de Bequimão, tanto no incentivo à prevenção quanto na assistência dos doentes. Para melhorar nossos trabalhos, vamos receber mais seis médicos, até março de 2014, pelo programa Mais Médicos. Duas chegam ainda em novembro ao município”, destacou o secretário de Saúde, Bastico Moraes.

No final da caminhada, foi oferecido um café da manhã e houve sorteio de brindes. (um tratamento capilar, no salão Divas Cabeleireiros; um tratamento capilar, no salão Ana Cabeleireiros; unhas (pé e mão), com a manicure e pedicura Lêda Gomes; um tratamento facial, com Cláudia Costa, um kit de higiene pessoal e um kit de produtos para o cabelo). Todos os participantes foram presenteados com mini kit, contendo preservativos, um gel lubrificante e bombom de chocolate.

por A Tribuna de Bequimão

Domingo em Bequimão

maréImagem da manhã deste domingo, dia 03 de novembro, em Bequimão. O registro foi feito no porto do Rio Itapetininga, no centro do município, mostrando o mar de onde muitos pescadores tiraram seu sustento. Vale a pena um passeio de barco ou um banho na maré.

 

por A Tribuna de Bequimão