Boi Estrela de Bequimão se apresenta em São Luís nesta sexta (24) e sábado (25)

programação do boi

O bumba-meu-boi Estrela de Bequimão chega hoje (24) a São Luís para animar os arraiais da capital maranhense. Serão três apresentações na noite de São João, na Cidade Operaria (20h), no Sacavém (22h30) e no Viva João Paulo. Amanhã, dia 25, mais três apresentações: no Parque Folclórico da Viva Palmeira (20h), no Arraial do IPEM (23h) e no IPEM São Cristóvão (01h).

Neste ano, o boi Estrela de Bequimão recebeu o devido reconhecimento da Secretaria Estadual de Cultura e Turismo, que classificou a tradicional brincadeira bequimãoense na Classe A. Fundado há 32 anos, o grupo conquistou a pontuação máxima na categoria Bumba-Meu-Boi, ao lado dos tradicionais Boi de Axixá e Boi da Maioba.

“Isso é motivo de muito orgulho, não só para quem fez, faz parte e toca essa brincadeira para frente, mas também para todos os bequimãoenses, porque representamos nossa cidade”, escreveu a diretoria do boi no perfil da brincadeira no Facebook.

Depois da temporada em São Luís, o Boi Estrela volta a se apresentar em outros municípios da Baixada Maranhense e, no dia 29 (Dia de São Pedro), participa do encerramento do arraial de Bequimão.

 

Anúncios

Boi Estrela de Bequimão foi indicado ao Prêmio Universidade FM em duas categorias

cd boi estrelaPela primeira vez, o Bumba-meu-boi Estrela de Bequimão foi indicado ao Prêmio Universidade, premiação realizada anualmente pela Rádio Universidade FM, para homenagear os principais destaques da música maranhense. O Boi de Bequimão concorreu em duas categorias: Melhor CD de Bumba Boi, com o álbum “31 anos de tradição”; e Música do Ouvinte, com a canção Jóia Rara, composta por Nonatinho e interpretada pelo cantor Alê Muniz.

Na categoria Melhor CD, o Boi Estrela ficou em terceiro lugar, ficando atrás apenas do Boi da Maioba e Boi da Madre Deus, que são bois de matraca. “Podemos dizer que fizemos o melhor álbum no sotaque de orquestra. Só em estar concorrendo, entre os maiores e mais tradicionais grupos do Maranhão, já nos enche de orgulho e nos anima para continuar esse trabalho”, garantiu o presidente do bumba-meu-boi, Tonho Martins.

Relembre a matéria que foi veiculada no Jornal O Estado do Maranhão, no dia 07 de junho de 2015

Um registro do que há de mais autêntico no sotaque de orquestra: os metais solam em todas as toadas, mostrando a sonoridade registrada nas décadas de 1980 e 1990. Essa é a essência do álbum “31 anos de tradição”, o oitavo registro fonográfico do bumba meu boi Estrela de Bequimão, grupo do município homônimo, que fica a 54 km de São Luís.

O grupo, que gravou três LPs e está no quinto CD, traz neste álbum a participação especial do cantor Alê Muniz. “Já tenho uma relação legal com o boi de Bequimão, a família da Luciana (Simões, cantora e esposa de Alê), é de lá e é muito envolvida com as coisas do boi. Então, me senti em casa e fiquei muito feliz com o convite porque gosto de cultura popular, sou envolvido, participo”, diz Alê Muniz, que foi convidado para cantar a toada “Joia Rara”, do compositor bequimãoense Nonatinho.

Para Tonho Lemos Martins, um dos diretores do Boi Estrela de Bequimão, o CD é uma reafirmação da identidade do grupo. “Temos o cuidado de nos policiar, pelo que vem acontecendo com outras brincadeiras, que muitas vezes, sem perceber, acabam perdendo a sua identidade”, ressalta Tonho Martins.

capa cd.indd

A resistência do grupo para se manter próximo ao seu estilo original também se reflete na manutenção do cordão de fitas, cada vez menos presente nos bois de orquestra, e em indumentárias sem muito luxo para índias e vaqueiros – sem comprometer a beleza e a criatividade dos brincantes, que se transformam em artesãos para bordar suas próprias roupas.

“Para muitos grupos (de bumba meu boi do sotaque de orquestra), estas mudanças nada mais são que a modernização da brincadeira e eles até desejam acompanhar estas mudanças, mas vejo isso com muita tristeza, pois gosto do tradicional”, diz Alê Muniz.

Toadas – O boi de Bequimão traz nas letras das toadas as temáticas da fé religiosa, o amor, a cultura do seu povo e a própria lenda que deu origem ao auto do boi. No CD “31 anos de tradição”, os compositores e cantadores Germano, Lucas Gomes, Luís, Germaninho, Dico e Nonatinho se dividem em 12 faixas inéditas, entre elas “Chegou Boi”, “Lindos Canários”, “Proteção Divina” e “Melhor da Baixada”, única que já foi executada nos arraiais.

Os músicos experientes precisaram de três finais de semana seguidos de ensaio para entrar em estúdio e gravar o CD em apenas dois dias. O cantor Alê Muniz se juntou ao batalhão, aceitando prontamente o convite da direção da brincadeira. “Nós recebemos um presente do Alê Muniz, que fez uma participação especial, interpretando a toada ‘Joia Rara’, do compositor bequimãoense Nonatinho”, relembra Tonho.

O ensaio dos músicos durou três semanas, mas para índias e vaqueiros campeadores a preparação começou bem antes, ainda no mês de fevereiro. É o tempo necessário para que as coreografias estejam bem sincronizadas para a principal festa da cultura maranhense. “Por já ter 31 anos, o Boi Estrela de Bequimão se inseriu no folclore maranhense como um dos pilares do bumba meu boi de orquestra tradicional. Da Baixada e Litoral Ocidental, foi o primeiro”, garante, orgulhoso, o diretor da brincadeira.

História – Fundado em 1984, o bumba meu boi Estrela de Bequimão foi pioneiro na Baixada e Litoral Ocidental maranhense no sotaque de orquestra. O pai do atual diretor, Tonho Martins, chamou para uma reunião os amigos Lucas Gomes, Paulo Campos, Valber Almeida (Vadico), João Almeida (Joca Mucura), Denilson Martins, Antonio Inácio Rodrigues e Raimundo João Macedo. Era um grupo que já montava nos carnavais o bloco tradicional “Estrela do Samba”.

A ideia, então, era criar uma brincadeira para o período junino, que sempre foi marcado por festejos animados no município de Bequimão. No início, eram reaproveitadas as fantasias do Carnaval. As melhorias foram surgindo da maneira como acontece até hoje, segundo os organizadores, com a ajuda da comunidade, de alguns parceiros e com a proteção divina.

Festança na noite de São Pedro encerra programação no Arraial da Gente

DSC_8478A noite de São Pedro, no dia 29 de junho, foi celebrada em Bequimão com a força de manifestações da cultura maranhense e nordestina, numa programação que reuniu bumba-meu-boi e muito forró. O prefeito Zé Martins ainda surpreendeu ao distribuir ingressos para que a criançada pudesse se divertir nos brinquedos do parque.

No Arraial da Gente, organizado pela Prefeitura Municipal de Bequimão, por meio da Secretaria Municipal de Cultura e Promoção da Igualdade Racial, a alegria estava no rosto das pessoas, que lotaram o arraial, lembrando os tempos das grandes festas juninas no município.

Zé Coxo emociona ao cantar toadas que marcaram a história do Boi Estrela

Zé Coxo emociona ao cantar toadas que marcaram a história do Boi Estrela

As apresentações começaram com a dança country Encantos de Bequimão, que abriu espaço no terreiro para o bumba-meu-boi Estrela de Bequimão. Um dos momentos mais emocionantes da noite foi quando o cantador Zé Coxo subiu no palanque e cantou toadas que marcaram a história de 31 anos do batalhão bequimãoense.

Depois foi a vez do Marizés se apresentar, com índias e vaqueiros que esbanjavam simpatia e amor à cultura popular. Eles celebravam o segundo ano da companhia, que participou da programação de diversos arraiais do Maranhão. A festança terminou com o show da banda de forró Farra de Rico, comandada por Tonny Farra e Riquinho Rico.     

Festas juninas

Foi um período de muito trabalho para a equipe comandada pela secretária de Cultura e Promoção da Igualdade Racial, Dinha Pinheiro. Começou no dia 13 de junho, na festa de Santo Antônio, com o apoio ao show do padre Ribamar, na reinauguração da Igreja Matriz. Depois, no dia 18 de junho, foi feito um culto ecumênico e o show da banda gospel Som&Louvor.

No aniversário da cidade, no dia 19 de junho, teve programação durante todo o dia, com desfile das escolas municipais, competições esportivas e apresentações culturais, culminando com o show da banda Sacode, que se apresentou pela primeira vez em Bequimão.

O Arraial da Gente se estendeu de 20 a 29 de junho, valorizando, principalmente, as atrações locais e dos municípios vizinhos. “Concluímos mais um período junino, com muita alegria, dando oportunidade à cultura popular da nossa gente, como vem fazendo o nosso prefeito Zé Martins desde que iniciou sua administração”, avaliou a secretária Dinha Pinheiro.

 

Crianças se divertindo no parque

 

Dança Country Encantos de Bequimão

Boi Estrela de Bequimão

Marizés

Farra de Rico

Fotos: Rodrigo Martins

Boi Estrela, Marizés e banda Sacode animam noite do aniversário de Bequimão

DSC_0124Estávamos devendo as fotos da noite do aniversário de Bequimão, comemorado no dia 19 de junho. A Praça 02 de Novembro ficou lotada de bequimãoenses e visitantes, atraídos pela programação organizada pela Prefeitura Municipal, por meio da Secretaria Municipal de Cultura e Promoção da Igualdade Racial.

O evento foi marcado pela diversidade cultural, com destaque para a participação dos grupos da terra. De todas as atrações, somente a Banda Sacode veio de fora. O prefeito Zé Martins e a primeira-dama Vânia Martins acompanharam toda a programação, ao lado de familiares e do secretariado do município.

Da escola Batutinhas, sob o comando da diretora dona Noca Martins, saíram duas brincadeiras: a Dança da Peneira e o Boizinho. Foi uma plena demonstração de que, para ser preservada, a cultura popular precisa ser apresentada às crianças desde cedo. E os pequenos correspondem, brincando com alegria e o gingado típicos das manifestações culturais maranhenses.

Também se apresentou, no aniversário da cidade, a dança country “Encantos de Bequimão”. Logo depois, foi a vez da companhia Marizés. Com coreografias bem ensaiadas e sorriso estampado no rosto de cada brincante, a apresentação do grupo foi mesclada de ritmos e elementos das inúmeras manifestações culturais do Maranhão. O repertório do Marizés é marcado pela forte influência dos sotaques de bumba-meu-boi (orquestra, matraca, pandeirão, zabumba e Pindaré), tambor de crioula e forró de caixa.

Mais tarde, foi “hora de boi rolar” com a apresentação do Bumba-Meu-Boi Estrela de Bequimão. Ao completar 31 anos de tradição, a brincadeira fez um resgate do que há de mais autêntico no sotaque de orquestra. Quem esteve na praça pôde sentir a força dos metais, do jeito como foi registrada nas décadas de 1980 e 1990.

O ponto alto da apresentação do grupo liderado por Tonho Martins, que recebeu homenagem em uma das canções, foi o pout-pourri com toadas que fizeram sucesso nesses anos de história. Por toda a praça, podia se ver bequimãoenses apaixonados pelo boi cantando alto, com as mãos para cima e um sorriso cheio de nostalgia.

A festa foi encerrada pela banda Sacode. Mesmo com o braço imobilizado, o vocalista Tony Guerra sacodiu os forrozeiros com os hits “Shineray” e “Elas ficam loucas”.

 

Divulgada a programação do aniversário de 80 anos de Bequimão

????????????????????????????????????

Bequimão completa 80 anos de emancipação política

Foi divulgada a programação do aniversário de 80 anos do município de Bequimão, comemorado no dia 19 de junho. Como vem acontecendo na administração do prefeito Zé Martins, a equipe da Secretaria Municipal de Cultura e Promoção da Igualdade Racial preparou uma diversidade de atrações, que começa na véspera.

No dia 18 de junho, às 19h, será realizado um culto na Praça 02 de Novembro, reunindo as diversas igrejas evangélicas que têm sede no município. A noite será encerrada pela banda gospel Som e Louvor. Este é o terceiro ano em que a véspera do aniversário de Bequimão tem uma programação direcionada ao público evangélico.

A comemoração no dia 19 de junho será intensa, iniciando às 5h, com uma queima de fogos. Às 6h, estudantes das escolas municipais participarão de um desfile civil até a frente da Prefeitura Municipal, onde haverá execução dos hinos Nacional e de Bequimão, pela Banda da Escola de Música.

O prefeito Zé Martins fará seu pronunciamento em homenagem às oito décadas de emancipação política do município. Ainda em frente à Prefeitura, será cantado o “parabéns” e feita a partilha do bolo.

Programação esportiva

Também já se tornou tradicional a realização de competições esportivas. Neste ano, a novidade são os jogos escolares na quadra do porto, a partir das 8h30. Às 9h, haverá Cavalgada pelas ruas do Centro de Bequimão. Um pouco mais tarde, às 9h30, será dada a largada da maratona e da corrida ciclística. A premiação de todas as competições acontecerá às 11h.

Para a tarde, foi preparada uma grande surpresa aos amantes do futebol. A seleção de Bequimão enfrentará o Sampaio Correia, no Estádio Vivaldão, começando às 16h.

Programação cultural

A Praça 02 de Novembro volta a ser o espaço para a comemoração dos 80 anos de Bequimão, com apresentações culturais. Às 19, as crianças da escola Batutinhas encantarão o público com a Dança da Peneira e, depois, com o bumba-meu-boi Batutinhas. Às 21h, a dança country Encantos de Bequimão se apresentará.

A programação segue com a companhia Marizés, que exibe, às 22h, sua mistura de ritmos da cultura popular do Maranhão. O terreiro será ocupado às 23h pelo bumba-meu-boi Estrela de Bequimão, com o mais autêntico sotaque de orquestra, comemorando 31 anos de tradição. À meia noite, sobe ao palco a banda de forró Sacode, que promete botar todo mundo para dançar, encerrando mais uma comemoração do aniversário de Bequimão. .

Boi Estrela de Bequimão é destaque no jornal O Estado do Maranhão

capa alternativo
Bumba meu boi Estrela de Bequimão grava CD para as festas juninas priorizando a autenticidade do sotaque de orquestra; álbum tem participação do cantor Alê Muniz (Baixe aqui a página do jornal O Estado do Maranhão)

Um registro do que há de mais autêntico no sotaque de orquestra: os metais solam em todas as toadas, mostrando a sonoridade registrada nas décadas de 1980 e 1990. Essa é a essência do álbum “31 anos de tradição”, o oitavo registro fonográfico do bumba meu boi Estrela de Bequimão, grupo do município homônimo, que fica a 54 km de São Luís.

O grupo, que gravou três LPs e está no quinto CD, traz neste álbum a participação especial do cantor Alê Muniz. “Já tenho uma relação legal com o boi de Bequimão, a família da Luciana (Simões, cantora e esposa de Alê), é de lá e é muito envolvida com as coisas do boi. Então, me senti em casa e fiquei muito feliz com o convite porque gosto de cultura popular, sou envolvido, participo”, diz Alê Muniz, que foi convidado para cantar a toada “Joia Rara”, do compositor bequimãoense Nonatinho.

Para Tonho Lemos Martins, um dos diretores do Boi Estrela de Bequimão, o CD é uma reafirmação da identidade do grupo. “Temos o cuidado de nos policiar, pelo que vem acontecendo com outras brincadeiras, que muitas vezes, sem perceber, acabam perdendo a sua identidade”, ressalta Tonho Martins.

A resistência do grupo para se manter próximo ao seu estilo original também se reflete na manutenção do cordão de fitas, cada vez menos presente nos bois de orquestra, e em indumentárias sem muito luxo para índias e vaqueiros – sem comprometer a beleza e a criatividade dos brincantes, que se transformam em artesãos para bordar suas próprias roupas.

“Para muitos grupos (de bumba meu boi do sotaque de orquestra), estas mudanças nada mais são que a modernização da brincadeira e eles até desejam acompanhar estas mudanças, mas vejo isso com muita tristeza, pois gosto do tradicional”, diz Alê Muniz.

Toadas – O boi de Bequimão traz nas letras das toadas as temáticas da fé religiosa, o amor, a cultura do seu povo e a própria lenda que deu origem ao auto do boi. No CD “31 anos de tradição”, os compositores e cantadores Germano, Lucas Gomes, Luís, Germaninho, Dico e Nonatinho se dividem em 12 faixas inéditas, entre elas “Chegou Boi”, “Lindos Canários”, “Proteção Divina” e “Melhor da Baixada”, única que já foi executada nos arraiais.

Os músicos experientes precisaram de três finais de semana seguidos de ensaio para entrar em estúdio e gravar o CD em apenas dois dias. O cantor Alê Muniz se juntou ao batalhão, aceitando prontamente o convite da direção da brincadeira. “Nós recebemos um presente do Alê Muniz, que fez uma participação especial, interpretando a toada ‘Joia Rara’, do compositor bequimãoense Nonatinho”, relembra Tonho.

O ensaio dos músicos durou três semanas, mas para índias e vaqueiros campeadores a preparação começou bem antes, ainda no mês de fevereiro. É o tempo necessário para que as coreografias estejam bem sincronizadas para a principal festa da cultura maranhense. “Por já ter 31 anos, o Boi Estrela de Bequimão se inseriu no folclore maranhense como um dos pilares do bumba meu boi de orquestra tradicional. Da Baixada e Litoral Ocidental, foi o primeiro”, garante, orgulhoso, o diretor da brincadeira.

Temporada – Para a temporada junina de 2015, o grupo vem com cerca de 80 componentes, entre músicos, índias, vaqueiros, caboclos de fita e os personagens do auto do boi (miolo do boi, pai Francisco e Catirina). Com tantos brincantes, o Boi Estrela enfrenta dificuldades comuns a outros grupos, pelo alto custo com transporte, alimentação e cachê de músicos. “A despesa é muito grande. Bumba boi é pra quem gosta. A gente não tem retorno financeiro, pelo contrário. É pra quem gosta”, reforça Tonho Martins. Outra dificuldade apontada pelo diretor é a desvalorização dos grupos que se mantêm mais autênticos ao sotaque de orquestra. Ele considera que, principalmente em São Luís, essas brincadeiras têm perdido espaço.

Mas para quem quiser prestigiar o bumba meu boi Estrela de Bequimão nos arraiais da Ilha, o diretor avisa que o grupo fará apresentações entre os dias 26 e 29 de junho, em locais ainda a serem definidos pela Fundação Municipal de Cultura (Func).

História – Fundado em 1984, o bumba meu boi Estrela de Bequimão foi pioneiro na Baixada e Litoral Ocidental maranhense no sotaque de orquestra. O pai do atual diretor, Tonho Martins, chamou para uma reunião os amigos Lucas Gomes, Paulo Campos, Valber Almeida (Vadico), João Almeida (Joca Mucura), Denilson Martins, Antonio Inácio Rodrigues e Raimundo João Macedo. Era um grupo que já montava nos carnavais o bloco tradicional “Estrela do Samba”.

A ideia, então, era criar uma brincadeira para o período junino, que sempre foi marcado por festejos animados no município de Bequimão. No início, eram reaproveitadas as fantasias do Carnaval. As melhorias foram surgindo da maneira como acontece até hoje, segundo os organizadores, com a ajuda da comunidade, de alguns parceiros e com a proteção divina.

Saiba Mais

– O Boi Estrela de Bequimão tem 80 componentes, dentre os quais 90% são radicados e naturais do município de Bequimão.

– O município de Bequimão tem uma Escola de Música, onde são formados músicos que compõem a orquestra do boi.

– Todas as toadas são compostas e interpretadas pelos artistas da terra.

-A orquestra do bumba meu boi Estrela de Bequimão é composta por banjo, trompetes, trombones, tambor-onça, zabumba, tamborim e agogô. Personagens como vaqueiros, índias, cordão com grinaldas (chapéus de fitas), miolos, burrinha, Pai Francisco, Catirina e Pajé compõem o boi.

Discografia

– 3 LPs (1991; 1992; 1993)

– 5 CDs (2000 “Coletânea”; 2004; 2005; 2006; 2008; 2015)

Boi Estrela de Bequimão comemora 30 anos neste sábado (01) com festa aberta ao público

image

 

O Bumba-meu-boi Estrela de Bequimão inovou na festa da matança do boi deste ano. Para comemorar os 30 anos da manifestação cultural de maior referência do município, foi preparada uma programação aberta ao público, na Rua João Bouéres, em frente ao colégio Manuel Beckman.

A morte do boi acontece neste sábado (01). Logo cedo, às 18h, poderá ser apreciada toda a alegria e beleza do Boi Estrela de Bequimão. Em seguida, haverá churrasco e o show da banda Swing Sensual. Durante anos, a festa foi realizada em clubes fechados. Mas a diretoria do boi resolveu fazer a comemoração das três décadas de história na rua, prometendo agradar os bequimãoenses que sempre prestigiaram a brincadeira.

Conheça um pouco da história do Boi Estrela

O ano era 1984 e, na época, Bequimão era um dos poucos a fazer arraial nos festejos juninos. Da vontade de criar uma atração que fosse da própria terra, surgiu o Bumba-meu-boi Estrela de Bequimão, pioneiro da Baixada e do Litoral Ocidental Maranhense no sotaque de orquestra. O idealizador Tonho Martins convocou para uma reunião a diretoria da então Escola Estrela do Samba, entre eles Lucas Gomes, Paulo Campos Neto, Valber Almeida (Vadico), João Cruz Almeida (Joca Mucura), Denilson Martins, Antônio Inácio Rodrigues e Raimundo João Macedo.

A ideia foi aprovada e logo depois começaram os primeiros ensaios. Para compensar a falta de dinheiro, entrou em cena a criatividade. Fantasias da escola de samba foram reaproveitadas e o boi fez seu primeiro ano de apresentações ainda de maneira precária. A brincadeira caiu no gosto das pessoas de Bequimão e se espalhou pela região, onde não tinha “outro para imitar”.

Com um repertório de toadas sinceras e empolgantes, que retratam a religiosidade, o amor e a cultura do seu povo, logo surgiram os primeiros registros fotográficos. Já foram gravados 3 LPs e 4 CDs, em registros que imortalizaram toadas famosas como “Boi Bumbá”, “Sereia”, “Velhas Palmeiras” e “Progresso”. Na comemoração dos 30 anos, o público poderá reviver momentos especiais dessa tradição.

Bumba-meu-boi e forró fizeram a alegria no Aniversário de Bequimão

DSC_0872Praça lotada para a noite do aniversário de 79 anos de Bequimão, comemorado no dia 19 de junho. Uma estrutura de palco, luz e som foi montada pela Prefeitura Municipal, por meio da Secretaria Municipal de Cultura e Promoção da Igualdade Racial, para receber as atrações e tornar ainda mais especial a comemoração.

O Bumba-meu-boi Mimoso de São Bento abriu a programação, mostrando a beleza do sotaque de orquestra. Cores vibrantes e coreografias bem ensaiadas foram os destaques da apresentação. Quando o grupo da cidade vizinha ainda estava no meio da Praça 02 de Novembro, começou a se ouvir de longe outra orquestra. Era o Bumba-meu-boi Estrela de Bequimão fazendo um arrastão pelas ruas da cidade.

Com 30 anos de tradição, a sonoridade característica do Boi Estrela atraiu logo o público que se identifica com a maior manifestação cultural do município. Nas calçadas, as pessoas formaram um corredor por onde dançavam e cantavam índias, vaqueiros, caboclos de fita que formam o cordão e os músicos. A imagem era de arrepiar quem ama a cultura popular maranhense.

O “dono” do boi, Tonho Martins, estava orgulhoso à frente do batalhão. Chegou o momento de mostrar o resultado de um ano árduo de trabalho e dedicação de todo um grupo. A apresentação no Aniversário de Bequimão foi a primeira de 2014. O Boi Estrela de Bequimão recebeu os aplausos do povo de sua terra, para depois se apresentar em outros terreiros do Estado.

O prefeito Zé Martins, ao lado da primeira-dama, Vânia Martins, e do ex-prefeito Juca Martins, acompanhou toda a programação. A secretária de Cultura e Promoção da Igualdade Racial, Dinha Pinheiro, também estava atenta a cada detalhe, para que a festa acontecesse com qualidade e segurança.

A Voz do Paredão

Já passava de meia noite quando Romim Mata, a voz do paredão (ex-Forró Estourado), subiu ao palco. As músicas que fazem a cabeça dos jovens e está na ponta da língua da garotada botaram todo mundo para dançar. Fogos, efeitos especiais e whisky distribuído no copo do público davam mostras da produção caprichada para o aniversário da cidade.

Mesmo sob forte chuva e uma parada estratégica para desligar aparelhos eletrônicos, os bequimãoenses e as pessoas de cidades vizinhas permaneceram na praça e curtiram a comemoração do Aniversário de Bequimão.