Secretária Dinha Pinheiro participa de Seminário de Saúde Integral da População Negra em São Luis

A secretária de Cultura e Promoção da Igualdade Racial do município de Bequimão, Dinha Pinheiro, participou na última sexta-feira, 11, do Seminário de Devolutiva da Política de Saúde Integral da População Negra, evento promovido pelo governo estadual através da Secretaria de igualdade Racial em parceria com as Secretarias de Saúde e Mulher e Conselho Estadual de Igualdade racial.

No mesmo dia a secretária Dinha Pinheiro foi representada em outro Seminário na cidade de Pinheiro-Ma. Na princesa da baixada o tema principal foi “pratica de esporte como ferramentas de prevenção as drogas e a violência”. A secretária foi representada pelo Sr° Francisco Carlos Macedo Souza, popularmente conhecido como Pinininho.

No seminário foram apresentados os aspectos normativos e orientadores da política de saúde, criada por decreto do governador Flávio Dino, em 27 de novembro de 2017. Foram apresentados também o processo de construção, princípios, missão, diretrizes e objetivos, além do plano operativo com os eixos orientadores e prioridades.

Além dessas questões, também foram abordadas as responsabilidades de cada ente federativo (Ministério da Saúde, gestão estadual e municipal) para a execução da política de saúde, voltada ao atendimento de negros e negras no sistema público de saúde para a prevenção, promoção, proteção e recuperação da saúde desta população, observando as suas peculiaridades.

O seminário foi aberto a lideranças quilombolas, de matriz africana e de outros movimentos sociais, além de conselhos de saúde e de gestores municipais e servidores da saúde dos municípios da região metropolitana e aconteceu no auditório do Palácio Henrique de La Rocque, localizado no bairro Calhau.

Este seminário já aconteceu nas regionais de Imperatriz, Bacabal, Itapecuru-Mirim, Pinheiro, São João dos Patos e Codó.

 

Anúncios

Município de Bequimão participa da 2ª Capacitação do Selo Unicef realizada em São Luís

Com o objetivo de melhorar ainda mais os indicadores da população de Bequimão, a prefeitura, por meio da Secretaria Municipal de Cultura e Promoção da Igualdade Racial, representada por Dinha Pinheiro e um auxiliar, participou da 2ª Capacitação do Selo Unicef, que aconteceu no Convento das Mercês, em São Luís. O Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), em parceria com o Governo do Estado, realizou o 2° Ciclo de Capacitação do Selo Unicef (edição 2017-2020).

Durante todo o dia, os 209 articuladores municipais do Selo conheceram a metodologia e simularam a realização dos Fóruns Comunitários, etapa obrigatória na realização do Selo, a ser cumprida até o mês de junho nas cidades participantes.

O Fórum tem como objetivo realizar a escuta qualificada da população e suas diferentes representações quanto as necessidades e prioridades em políticas públicas destinadas a crianças e adolescentes. A partir disso, o município de Bequimão desenvolverá um Plano de Ação, voltado para identificar os principais desafios e definir as prioridades para o enfrentamento das desigualdades na realização dos direitos de crianças e adolescentes.

“O Fórum Comunitário é um momento muito emblemático do Selo, porque os gestores garantem a participação da comunidade para resolverem os principais desafios que tenham relação com a garantia dos direitos da criança e do adolescente”, esclareceu Anyoli Sanabria, coordenadora do Território Amazônico do Unicef.

Para a secretária de Cultura e Igualdade Racial, Dinha Pinheiro, o município de Bequimão está empenhado em melhorar os indicadores e enfrentar os principais problemas que afetam crianças e adolescentes, nas áreas de saúde, educação, proteção e participação social. “A gente tem trabalhado muito a fim de melhorar os índices de nossa cidade e com a chegada do Selo Unicef todos nós do poder público juntamente com a população, estamos melhorando ainda mais os indicadores de Bequimão. Desde que o prefeito Zé Martins assumiu a gestão em 2013, a realidade de Bequimão é bem melhor do que recebemos. Temos a Semana do Bebê Quilombola e isso tem mudado a realidade no município”, destacou.

No Maranhão, 209 municípios aderiram a esta edição do selo. O estado é parceiro do Unicef e aproveita a metodologia utilizada por ele, para causar impacto nos indicadores relacionados a proteção integral à criança e ao adolescente. “A ideia é usar esse exercício que o Unicef faz com os municípios que é bastante simples, de aproximação entre a realidade que precisa mudar e a capacidade de monitorar esses indicadores e aplicar isso de maneira democrática e muito bem capilarizada no Maranhão”, afirmou o secretário de Políticas Públicas e Articulador Estadual do Selo Unicef, Marcos Pacheco.

Após o primeiro ciclo de capacitação, que ocorreu em novembro do ano passado, os municípios desenvolveram inúmeras atividades, entre elas, diagnóstico participativo da situação da infância e adolescência, adesão à Campanha “Fora da Escola Não Pode”, de busca ativa escolar e de criação de núcleos de adolescentes para engajamento e mobilização destes públicos para o debate de seus direitos.

 

Bequimão recebe instrumentos musicais para Escola de Música do município

O município de Bequimão recebeu, nesta sexta-feira (15), instrumentos musicais para reforçar os equipamentos da Escola de Música do município. A entrega aconteceu na Casa do Maranhão, como parte do ‘Programa Maranhão Musical’, realizado por meio da Secretaria de Estado da Cultura e Turismo (Sectur).

A secretária municipal de Cultura e Promoção da Igualdade Racial, Dinha Pinheiro, representou o prefeito Zé Martins, no evento. Bequimão foi um dos 22 municípios atendidos. O prefeito Zé Martins já aprovou um projeto através da Secretaria de Cultura e Promoção da Igualdade Racial, que garante 30% das vagas para as comunidades quilombolas do município.

Os recursos foram viabilizados por convênio firmado com o Ministério da Cultura, a partir de emenda parlamentar do deputado Sarney Filho.

A Escola de Música bequimãoense receberá violões, baixo, bateria, clarinete, flauta doce barroca, guitarras, sax, trompete, entre outros, além de mobiliários (armários, cadeiras, mesas, estantes, ventilador, bebedouro, quadro branco, além de livros e partituras).

No total, são 167 equipamentos, entre móveis e instrumentos musicais. Para Dinha Pinheiro, a população bequimãoense acaba de ganhar nova oportunidade em educação. “Música também faz parte da educação de crianças, adolescentes e jovens. É a grande oportunidade para nossa população jovem. O prefeito Zé Martins sabe abraçar essas parcerias e só quem tem a ganhar é o município. Estamos felizes com essa indicação do deputado federal Sarney Filho”, destacou.

Os municípios contemplados pelo convênio federal são Aldeias Altas, Água Doce do Maranhão, Alto Alegre do Maranhão, Apicum Açu, Amarante do Maranhão, Bequimão, Brejo, Cachoeira Grande, Joselândia, Montes Altos, Presidente Sarney, Presidente Vargas, Nova Olinda do Maranhão, Santa Luzia do Paruá, Satubinha, Trizidela do Vale, Turiaçu, Olinda Nova do Maranhão, Mirinzal, Vila Nova dos Martírios, Cândido Mendes e Riachão.

 

Bequimão realiza a III Semana do Bebê Quilombola

FOTOS: Rodrigo Martins

Prefeito Zé Martins

Zé Martins ao lado dos secretários  Gerson Pinheiro (Estado) e Zé Orlando e Dinha (Municipais)

A 3ª Semana do Bebê Quilombola, é uma ação desenvolvida pela Prefeitura de Bequimão desde 2013, em parceria com o governo do Estado, Unicef e Fundação Josué Montello, e que realizou este ano, uma série de palestras, atividades, rodas de conversas e oficinas envolvendo todas as famílias quilombolas das comunidades negras do município, além das ações multissetoriais desenvolvidas no decorrer do ano pela Secretária de Cultura & Igualdade Racial de Bequimão.

Zé Martins

Prefeito Zé Martins falando da importância da III Semana do Bebê Quilombola em Bequimão

A Semana do Bebê Quilombola em Bequimão foi criada pelo prefeito Zé Martins (PMDB), através da Lei Nº 09/2013, que tem como estratégia a mobilização social com vistas a contribuir com a proteção, cuidados e o desenvolvimento de crianças de 0 a 6 anos, a chamada primeira infância nas comunidades Quilombolas.

O município de Bequimão, localizado na região do litoral ocidental maranhense, tem grande percentual de população negra e conta com 19 comunidades rurais Quilombolas, sendo somente 11 quilombos certificados pela Fundação Cultural Palmares. Oito comunidades Quilombolas do município, ainda lutam para conquistar o Selo.

_DSC3210

As famílias quilombolas dessas comunidades enfrentavam o racismo e viviam em condições desfavoráveis como menor expectativa de vida, maior taxa de mortalidade e maior risco de adoecer e morrer por doenças evitáveis, onde as crianças quilombolas viviam expostas aos ambientes de pobreza, desnutrição, renda familiar baixa, negligência, abusos, discriminação e difícil acesso as políticas públicas, como educação e saúde, o que ocasionou um baixo rendimento escolar e limitação das habilidades sociais e cognitivas.

UMA NOVA ERA NOS QUILOMBOS

Secretário de Estado, Gerson Pinheiro, acompanhado do

Secretário de Estado, Gerson Pinheiro, acompanhado do prefeito Zé Martins em Suassuí

Durante a gestão do prefeito Zé Martins, os Quilombos foram vistos com mais respeito. Hoje todas as comunidades quilombolas têm estradas, transporte escolar e políticas públicas de qualidade. Após a abertura da terceira semana do bebê quilombola, o prefeito Zé Martins, fez questão de mostrar os avanços nas comunidades quilombolas durante sua gestão ao Secretário de Estado da Igualdade Racial. Durante a expedição as comunidades, o secretário Gerson Pinheiro, viu toda evolução e se empolgou, até pediu para conversar com os moradores da comunidade Suassuí, onde nunca havia tido estrada e agora a via de acesso ao povoada é a grande novidade dos moradores. Até a barragem em área de apicum com destino ao porto da comunidade foi feita pelo prefeito. O secretário estadual ficou muito feliz em ver os avanços e o cuidado do prefeito com o povo dos quilombos.

Gisele Padilha

Gisele Padilha, coordenadora de projetos sociais da Fundação Josué Montello, em seu discurso

Durante a abertura do evento, Gisele Padilha, coordenadora de projetos sociais da Fundação Josué Montello, falou da importante parceria dos diversos atores sociais para tornar prioridade o desenvolvimento da primeira infância. “É responsabilidade de gestores, líderes comunitários, famílias e dos governos trabalhar e cuidar do desenvolvimento de crianças de 0 a 6 anos para que a gente possa ter um adulto saudável e integrado no mundo social e do trabalho. Aqui em Bequimão estamos vendo os resultados positivos, isso nos emociona, mas ao mesmo tempo nos impulsiona para lutar pelos quilombolas” – destacou.

Prefeito Zé Martins Cumprimenta

Prefeito Zé Martins Cumprimenta o secretário de Estado da Igualdade Racial, Gerson Pinheiro

O prefeito Zé Martins explicou que as ações multissetoriais desenvolvidas no decorrer dos últimos três anos atendem a indicadores propostos pelo Unicef. “Estamos conseguido cuidar melhor das crianças quilombolas de Bequimão graças ao trabalho dos profissionais da saúde, educação, esporte, desenvolvimento social e igualdade racial, além das famílias quilombolas. Nosso papel é cuidar bem de nosso povo e como gestor público procuro fazer o máximo de mim em prol do meu município”- disse.

_DSC3118

O município de Bequimão conseguiu melhorar alguns indicadores de impacto social: reduziu a mortalidade de crianças e adolescentes por causas externas, todas as crianças de até um ano de idade possuem registro civil, além disso, o prefeito reduziu o número de óbitos materno. “Estamos vencendo um desafio de dimensão grandiosa que é cuidar de um grupo historicamente menos privilegiado que são as crianças quilombolas, e agradeço o apoio do Unicef, da Fundação Josué Montelo e um agradecimento especial à nova equipe de  governo, que muito contribui com Bequimão. Mas não posso deixar de ressaltar o grande empenho da antiga gestão no governo Roseana Sarney, que muito contribuiu para o nosso município”, disse o prefeito.

Secretário

Secretário de Estado da Igualdade Racial, Gerson Pinheiro, faz referência ao prefeito Zé Martins

A Secretaria estadual de Igualdade Racial participou da Semana do Bebê Quilombola com as assessorias dos técnicos Iracema Amorim, Mari Martins, Domingas Gomes e Eduardo Filho, que acompanharam todas as atividades, desenvolvendo palestras e oficinas junto as comunidades em questões de saúde, educação, cidadania e inclusão produtiva e social.

Gerson Pinheiro

Gerson Pinheiro mostrando a importância da III Semana do Bebê Quilombola para Bequimão

O secretário de igualdade Racial, Gerson Pinheiro, disse que “o governador Flávio Dino está preocupado com os índices sociais do Maranhão e desenvolveu uma força-tarefa para melhorar esses indicadores. A ação do governo está presente, particularmente aqui em Bequimão, no apoio da Semana do Bebê Quilombola. Estamos aqui em Bequimão contribuindo com a população quilombola na superação da discriminação e da exclusão social e econômica. Esta nova realidade em Bequimão implica diretamente no desenvolvimento do Estado. Fiquei muito contente em ver os avanços nas comunidades quilombolas de Bequimão” – destacou.

MARCHA DOS QUILOMBOLAS NAS RUAS DA CIDADE

Na segunda feira (30) aconteceu o encerramento da terceira semana do bebê quilombola em Bequimão, com uma grande marcha pelas ruas da cidade, com todas as comunidades quilombolas e com a presença do mais novo prefeito nascido na Semana, Hugo Leví, da comunidade Santa Rita. A cerimônia teve a presença do prefeito Zé Martins com o compromisso em cuidar das crianças na primeira infância, dando saúde, educação, assistência, esporte e cultura.

Secretária Dinha Pinheiro

Secretária Dinha Pinheiro fala dos avanços alcançados por Bequimão após a I Semana do Bebê

A secretária municipal de Cultura e Igualdade Racial, Dinha Pinheiro, que acompanhou todas as atividades em todas as comunidades, explicou sua satisfação em poder colaborar o desenvolvimento do município, principalmente se tratando de Quilombos. “Em 2013 iniciamos a semana do bebê Quilombola com algumas situações de risco, onde montamos um gráfico juntamente com o Unicef e IBGE, para que a gente melhorasse esses índices do eixo social. E graças a Deus, de 2013 até 2015 conseguimos melhorar esses números, onde quatro indicadores aparecem bem melhor no gráfico e nossa meta é melhorar ainda mais até 2016. As metas alcanças foram a diminuição da mortalidade infantil, crianças sem registro, morte sem causa e nascimento sem pré-natal. Agora a principal meta é vacinar todos as crianças de Quilombos”, destacou a secretária, que foi categórica em afirmar os avanços em sua pasta.

PREFEITO (A) MIRIM DA CIDADE

Lara Rafisa

Lara Rafisa (Prefeita Mirim) nos braços da mãe antes de entregar a chave para Hugo Levi

A cada edição da Semana do Bebê Quilombola é escolhida uma criança nascida durante o avento para ser o Prefeito (a) da Cidade, para um “mandato” de um ano, ou seja, até a próxima Semana do Bebê Quilombola. O prefeito (a) mirim ganha um enxoval completo e atendimento prioritário nos serviços públicos do município, além da chave da cidade. A atual prefeita é Lara Rafisa, moradora da comunidade Ramal de Quindiua, que passou o cargo pra Hugo Levi, o bebê nascido nesta semana e morador da comunidade Santa Rita.

AUTORIDADES PRESENTES NO EVENTO

Estiveram presentes na III Semana do Bebê Quilombola, o Secretário de Estado, Gerson Pinheiro, representando o Governador, Gisele Padilha, representando a Fundação Josué Montello, a Enfermeira coordenadora da Cruz Vermelha Brasileira, Ingrid Fonseca que acompanhou todas as atividades, com consultas e métodos inovadores nas comunidades Quilombolas. Além disso, participaram os secretários municipais Zé Orlando (Administração e Transporte), Cassiano Ferreira (Segurança), Nhô da Colônia (Pesca), Ademar Costa (Indústria e Comércio), Kell Pereira (Esporte e Lazer), Dinha Pinheiro (Cultura e Igualdade Racial), Sinara Almeida (Extrema Pobreza), João Ribeiro (Finanças), Creuber Pereira (Agricultura), Aristides França (Educação). Outras autoridades também estiveram presentes, como o vice-prefeito Pedro Acará, Sandra Portela (Assistente Social), Francisco Coelho, da Associação do Movimento Quilombola, e demais personalidades do município.

VEJAM NOVAS FOTOS CLICANDO AQUI

 

Prefeito Zé Martins dá posse ao presidente do Conselho Municipal de Direito

FOTOS: Rodrigo Martins —Vejam Mais no Clube da Foto de Bequimão

Cons1

Foi empossado pelo prefeito de Bequimão, Zé Martins (PMDB), o novo presidente do Conselho Municipal de Direitos da Criança e Adolescentes. Maria Raimunda Pires Pinheiro Neta (Dinha) assumiu a presidência do Conselho, sendo empossada pelo gestor municipal. A vice-presidente ficou a cargo de Júlio Sérgio Costa Martins. A primeira secretaria ficou por conta de Maria da Conceição Martins Pereira. E a segunda secretária é Marlene Diniz Campos.

Cons3

O mandato terá duração de 4 anos, mas o Conselho ficará vinculado ao gabinete do prefeito municipal. Uma das principais funções do presidente será presidir todas as atividades do conselho de direitos. O conselho tutelar é subordinado ao Conselho de Direitos.

Para que fosse criado esse novo Conselho Municipal de Direitos da Criança e Adolescentes, a Câmara Municipal de vereadores aprovou a Lei Nº 01 de 10 de agosto de 2015, sancionada pelo prefeito Zé Martins, que revogou a Lei Nº 08/1998.

Cons2

A nova diretoria do Conselho vai empossar o novo Conselho Tutelar eleito pelo voto direto este ano em Bequimão. A posse dos novos conselheiros tutelares está marcada para o dia 10 de janeiro de 2016.

CONHEÇA OS NOVOS CONSELHEIROS DO CONSELHO MUNICIPAL DE DIREITOS

  • REPRESENTANTES DO PODER PÚBLICO

Titular: Gleciane Ribeiro Coelho

Suplente: Maria da Natividade Nogueira Lima

Titular: Maria Raimunda Martins Amorim

Suplente: Maria Celeste Oliveira Silva

 

Titular: José Maria Lisboa

Suplente: João de Castro Ribeiro

Titular: Marlene Diniz Campos

Suplente: Karina Mônica Costa Ferreira

Titular: Maria Raimunda Pires Pinheiro Neta

Suplente: Adenilza Alves

Titular: Cleane dos Santos Costa Pereira

Suplente: Raimundo Nonato Pereira Lopes Júnior

  • REPRESENTANTES DA SOCIEDADE CIVIL

Titular: Davina Gonçalves Tonon

Suplente: Felipa Castro Alves

Titular: Iêda Maria Sousa Pereira

Suplente: Rosenilde França Pinheiro

Titular: Júlio Sérgio Costa Martins

Suplente: Kátia Simone Góis Rodrigues

Titular: Maria da Conceição Martins Pereira

Suplente: Marluce do Carmo Martins Lobato

 

Titular: Ivan Pereira

Suplente: Maria do Socorro Privado

Titular: José Vagno Amorim

Suplente: Edvânia Costa

 

 

 

Sessão de vídeo e fotos marca continuidade do projeto que cuida das crianças quilombolas em Bequimão

Na tela, o cenário era bem familiar e os sons que saiam da caixa ecoavam os batuques e vozes do próprio cotidiano. O olhar curioso buscava o autorreconhecimento. Sim, eram eles que estavam nas imagens projetadas na parede da escola, no barracão ou mesmo na televisão da sala. A cena se repetiu nas dez comunidades quilombolas de Bequimão, no último sábado (29) e domingo (30), quando aconteceram as visitas devolutivas da Primeira Semana do Bebê Quilombola, evento pioneiro no país instituído pela Prefeitura Municipal de Bequimão, em novembro do ano passado.

Foram exibidos um vídeo, com imagens captadas durante a Semana, e as fotografias produzidas no período. Depois de se verem e relembrarem momentos marcantes daqueles seis dias, os moradores das comunidades responderam de maneira contundente que as mudanças já começaram a aparecer.  A principal delas é o resgate do sentimento de pertencer a um quilombo, que se reflete na fala de adultos e crianças. “Tenho orgulho de morar numa comunidade quilombola, porque juntos nós formamos uma linda família. E eu tenho orgulho da minha cor. Sou negra de coração”, garantiu a menina Alenice Cunha Melo, 11 anos, do povoado Conceição.

As visitas foram coordenadas pela secretária de Cultura e Promoção da Igualdade Racial, Dinha Pinheiro, e pela representante da Fundação Josué Montello, Gisele Padilha. No retorno às comunidades, a mensagem era de continuidade da ação. A Semana do Bebê Quilombola foi somente o ponta pé inicial para um trabalho permanente e planejado que vai ter duração de três anos.

É que em outubro de 2013 o prefeito Zé Martins assinou o termo de adesão ao Selo Unicef, concedido aos municípios que conseguem cuidar bem das crianças de até seis anos. Para conseguir reduzir a mortalidade infantil, a gravidez na adolescência, ampliar as oportunidades de acesso ao esporte, lazer, educação e saúde, a aposta é em conciliar o saber tradicional das parteiras, curandeiras e a experiência dos mais velhos com as políticas públicas. “O que vai acontecer nessas dez comunidades, com certeza, vai se ampliar para todo o município”, frisou Dinha Pinheiro, que se tornou articuladora do Unicef em Bequimão, após capacitação oferecida aos gestores municipais na Universidade Federal do Maranhão (UFMA).

Reunida com representantes de diversas regiões do Maranhão, Dinha teve a satisfação de receber constantes elogios, porque o município de Bequimão tornou-se referência pela coragem de tomar a linha de frente no trabalho pela infância quilombola. “Estamos criando uma rede de parceiros no município, com as secretarias de Saúde, Educação, Esporte e também com as famílias”, destacou a secretária de Cultura e Promoção da Igualdade Racial.

Erradicação do sub-registro

A Semana do Bebê Quilombola aconteceu nas comunidades de Santa Rita, Rio Grande, Arquipá, Ramal do Quindíua, Pericumã, Marajá, Conceição, Mafra, Sibéria e Juraraitá, todas já certificadas pela Fundação Palmares como remanescentes de quilombos. Equipes do próprio lugar foram responsáveis pela busca ativa de pessoas que ainda não possuíam registro de nascimento. Com essa ação, todas as crianças dessas comunidades passaram a ter o direito ao registro civil. Por essa conquista, cada líder das comunidades recebeu um certificado atestando o fim do sub-registro civil de nascimento, até aquela data.

Quem participou da busca ativa também ganhou certificado. Já os atletas que disputaram partidas de futebol ganharam medalhas e troféus. Outra preocupação da coordenação do projeto é a manutenção dos cantinhos para brincar. Foram doados brinquedos, de uso coletivo, para que se proporcionem momentos de socialização e de maior atenção dos adultos a essa importante fase do desenvolvimento humano. “Estamos com esperança de que nossas crianças cresçam com mais inteligência, com mais estudo de qualidade, saúde. A gente era um pouquinho esquecido e isso já mudou. A gente agradece a Prefeitura por isso”, ressaltou dona Mayre Cantanhede, 49 anos, moradora do Santa Rita.

A Semana do Bebê Quilombola é uma promoção da Prefeitura de Bequimão, instituída pelo prefeito Zé Martins, em parceria com o Unicef, Secretaria Estadual de Igualdade Racial e Fundação Josué Montello. Participaram da devolutiva a mobilizadora Rosana Alves, o músico João Victor e o jornalista Romulo Gomes.

Blocos tradicionais e alternativos fazem a festa no terceiro dia do Carnaval de Bequimão

O terceiro dia (2) do reinado de Momo em Bequimão foi marcado pela apresentação de oito blocos, entre tradicionais e alternativos. A concentração dos grupos começou às 17h, no Canto da Cultura, cruzamento entre as ruas João Bouéres e Santos Dumont. Para prestigiar as apresentações dos blocos, estavam presentes o Prefeito Municipal de Bequimão, Zé Martins; a primeira dama da cidade, Vânia Martins; o ex-prefeito de Bequimão, Juca Martins; e a Secretária Municipal de Cultura e Igualdade Racial, Dinha Pinheiro.

Os blocos tradicionais impressionaram a comunidade, que saiu às portas e parou nas ruas para acompanhar os cortejos, que iniciaram no Centro de Ensino Manoel Beckman, passaram pela Rua João Bouéres e seguiram até a Rua Barão do Rio Branco, em frente à Praça Dois de Novembro.

Os blocos dos povoados de Raimundo Sú, Jacioca e Paricatíua mostraram vigor e perseverança em manter viva a tradição de levar para a rua o ritmo peculiar e a batida envolvente dos blocos que são tradição em Bequimão. Só em 2014, a Prefeitura Municipal conseguiu incentivar, financeiramente, mais de 12 blocos entre tradicionais e alternativos. Esse é um número significativo, já que em 2013 foram apenas sete blocos incentivados. Isso demonstra o compromisso do poder público em manter vivas as tradições que fazem parte da história do município.

“Nós temos conseguido resgatar as tradições de Bequimão. Hoje, a gente vê que, resgatando a cultura, conseguimos trazer de volta para a cidade seus antigos moradores, pessoas que são de Bequimão e hoje moram em outras cidades e até outros estados, que lotam os hotéis e a cidade”, destacou Dinha Pinheiro, secretária municipal de Cultura e Igualdade Racial.

Além dos blocos tradicionais, três blocos alternativos desfilaram nas ruas da cidade. Foram eles: Meu Urso, Os 300, Dengo e Ozabusados, que fizeram a festa, principalmente da juventude. Muita alegria, música e maisena marcaram as apresentações desses três grupos, que ao todo reuniram mais de mil pessoas. Outro bloco que chamou muita atenção foi o da Terceira Idade, formado por idosos da Associação da Melhor Idade de Bequimão que periodicamente realiza atividades, como oficinas, exercícios funcionais e festas com os idosos da cidade. Em sua maioria, os idosos estavam vestidos de fofões. Com alegria e muita disposição, o bloco desfilou pelas ruas, distribuindo simpatia e vivacidade.

Fofões – Uma fantasia que diverte adultos, mas causa espanto em algumas crianças, é o tradicional Fofão, paixão de muitos maranhenses, que sempre no período do carnaval colocam uma máscara no rosto e vestem roupa feita de chitão. O fofão é um personagem típico do carnaval do estado e, durante muito tempo, foi a principal fantasia do carnaval de rua em todo o Maranhão. O tempo foi passando e a tradição foi mudando aos poucos. As máscaras não são mais as mesmas, porém assustam muito mais que as antigas. E a roupa, muitas vezes, deixou de ser o velho tecido de chitão.

Bloco do Jacioca

Bloco do Paricatíua

Bloco do Raimundo Su

Bloco da Terceira Idade

Bloco dos 300

Meu urso

 Dengo Meu

Quatro bandas passaram pelo Carnaval da Alegria, no sábado, em Bequimão

WP_20140301_039A alegria continua em alta no carnaval de Bequimão. A Praça Dois de Novembro foi o principal ponto de folia no sábado gordo (01). Quatro bandas comandaram a festa, na programação preparada pela Prefeitura Municipal, por meio da Secretaria Municipal de Cultura e Igualdade Racial.

A noite começou com a Banda Macairo, com um repertório que inclui marchinhas, sucessos do carnaval maranhense e as novidades do axé baiano. Logo depois, a swingueira da Banda Galã de Luxo, vinda da Bahia, botou os foliões bequimãoenses e turistas pra dançar.

Foi com a irreverente Banda Tricha, de Pinheiro, que a galera tirou o pé do chão. As paródias bem humoradas dos três músicos que se caracterizam como gays tiram boas gargalhadas do público, que vibra e pula ao som do trio.

Já de madrugada, a Banda Miragem, que há décadas se apresenta em Bequimão, entrou no palco e fechou com chave de ouro a segunda noite de folia. O prefeito Zé Martins e a secretária de Cultura e Promoção da Igualdade Racial, Dinha Pinheiro, estão só alegria com o resgate da alegria no carnaval de Bequimão.  

Toda a programação está sendo transmitida, ao vivo, pela Rádio Bequimão FM.

Prefeito Zé Martins entrega 88 títulos de terra a moradores de Bequimão

entrega de título1O prefeito de Bequimão, Zé Martins, entregou 88 títulos de terra concedidos pela Superintendência do Patrimônio da União no Estado do Maranhão. A entrega aconteceu na manhã desta quinta-feira (26), no Sindicato das trabalhadoras e Trabalhadores Rurais do município.

Os bequimãoenses que receberam o título tiveram reconhecida a posse das terras onde vivem há muito tempo. Agora, eles podem ter acesso a benefícios de programas federais, a crédito em bancos, entre outras vantagens. Zé Martins intermediou o processo junto ao Governo do Estado, para que a regularização das terras acontecesse com mais celeridade.

“Meus horários são para Bequimão. Volto ainda hoje para São Luís para assinar mais dois convênios. Um deles é para construir a estrada vicinal do Paricatíua, no mesmo padrão que estamos fazendo a estrada que vai do Ramal do Orlando até o Carnaubal”, disse o prefeito.

Com esse mesmo empenho, Zé Martins disse ter buscado os títulos das terras. “Estamos trabalhando para que a população de Bequimão tenha dias melhores. Deus ilumine para que consigamos mais coisas”, frisou.

Aos 67 anos, o morador do bairro Balandro, Gregório Santos Moreira, conseguiu ter regularizado seu pedaço de chão. “Agora eu posso tentar uma casa. Eu já estou construindo uma pequena, mas posso tentar para um filho, que não tem, porque a condições são poucas”, animou-se o aposentado. A felicidade estava estampada no rosto e no aperto de mão firme, ao receber o título das mãos do prefeito Zé Martins.

A secretária de Cultura e Promoção da Igualdade Racial, Dinha Pinheiro, destacou, em sua fala, a disposição do prefeito em buscar benefícios para o município. Ressaltou, ainda, que vários programas já estão em andamento, como fruto desse trabalho, e que os títulos de terra vão possibilitar que mais pessoas acessem essas políticas públicas.

Os beneficiários que não conseguiu participar do evento de entrega dos títulos de terra podem receber o documento na Prefeitura Municipal de Bequimão, em horário comercial. Os títulos foram assinados pelo superintendente do Patrimônio da União no Estado do Maranhão, Jorge Luís Pinto; pelo secretário de Desenvolvimento Social e Agricultura Familiar, Fernando Fialho; e pelo presidente do Iterma, Luís Alfredo Fonseca.

Os secretários de Ademar Costa (indústria e Comércio) e Neide Rodrigues (Assistência Social), além das médicas cubanas Odalys Baro Sanchez e Odalis de Cardena Mejias, participaram do evento.

Quilombolas de Bequimão recebem visita da secretária Estadual da Igualdade Racial

conversaSete comunidades quilombolas de Bequimão receberam a visita da secretária Estadual de Igualdade Racial, Claudett de Jesus Ribeiro, e da secretária Municipal de Cultura e Promoção da Igualdade Racial, Dinha Pinheiro, no sábado (05) e domingo (06). Nas rodas de conversa com os moradores dos quilombos, foi discutido o desenvolvimento das crianças quilombolas que têm de zero a três anos de idade.

As secretárias estiveram nas comunidades de Santa Rita, Rio Grande, Ariquipá, Ramal do Quindíua, Conceição, Mafra e Juraraitá, todas certificadas como remanescentes de quilombolas, com a proposta de sensibilizar os moradores sobre o jeito característico, nos quilombos, de cuidar das crianças. “Assim como na África, tudo aqui é coletivo. Então, toda a comunidade educa a criança e todas se criam juntas. Queremos que isso seja reforçado, como forma de manter a identidade dos negros quilombolas”, afirmou Claudett Ribeiro, no encerramento das visitas, no povoado Juraraitá.

Foi com a participação constante da família e o apoio dos vizinhos que Eunice Cruz Pinheiro, 24 anos, deu luz ao filho Renan Cruz Pinheiro, hoje com 4 anos. Ela fez todo o pré-natal no hospital do município, mas no dia do parto estava chovendo muito forte e a ambulância não conseguiu chegar até sua casa, que fica após um rio. A solução foi realizar o parto em casa, tendo como parteira a própria avó.

eunice e filho“Aqui, na comunidade, a gente acha até melhor ter o filho em casa, por que a gente recebe o cuidado da família. Além disso, todo mundo dá apoio, pode ser de qualquer pessoa, de um professor ou parente, que aconselham”, contou a jovem mãe quilombola.

As experiências dos moradores dos quilombos sustentavam suas opiniões quando foram convidados a comentar e votar sobre aspectos importantes ao desenvolvimento infantil. Os questionamentos envolviam a necessidade de consultas ao pediatra, cuidados com alimentação, amamentação, brincadeiras e passeios, estabelecimento de limites desde cedo, bons exemplos dos pais, dentre outros.

A partir das respostas, Claudett Ribeiro comparou as relações familiares nos quilombos com as existentes nas grandes cidades. Em sua opinião, os quilombolas amam e respeitam suas avós, enquanto nas cidades nem as mães têm mais tempo de cuidar dos filhos.

Propostas – Com essa ação nas comunidades quilombolas, a Secretaria Estadual da Igualdade Racial (SEIR) e a Secretaria Municipal de Cultura e Promoção da Igualdade Racial de Bequimão querem preservar esses valores, que fazem parte da identidade negra quilombola. “As comunidades quilombolas têm saberes imensos que precisam ser divulgados e respeitados. É assim que acontece a luta negra, contra o profundo racismo que é entranhado na história do Brasil e do Maranhão”, frisou Claudett Ribeiro.

Dinha Pinheiro comprometeu-se a manter atividades culturais e de educação nas comunidades quilombolas do município. Ela aproveitou para lembrar os esforços da Prefeitura de Bequimão em busca do reconhecimento das terras remanescentes de quilombo do município; 10 já foram certificadas. “Depois deste momento de visita, vamos planejar outras ações para garantir mais cuidados com as crianças quilombolas de Bequimão”, garantiu a secretária.

Em cada comunidade, a visita foi encerrada com música. Primeiro, os moradores cantavam para os visitantes e, em seguida, vinha a retribuição, pelo canto de Gisele Padilha, que acompanhou as atividades. A cantora e membro da equipe da SEIR cantou música sobre Zumbi dos Palmares, desmistificando a relação que se faz, em algumas localidades, entre zumbi e os mortos. “Zumbi é o herói, por conta dos Palmares. Ele nos lembra das lutas que travamos todo dia e toda a hora para vencer”, destacou Gisele.